quarta-feira, 20 de maio de 2015

Escrever...


Esvaziar a cabeça da bagunça que as palavras fazem aqui dentro.
Emudecer o barulho que dói, que confunde, que fadiga.

É a tentativa, por vezes vã, de organizar os sentimentos que me empurram, afinal são nos cantos que sempre se junta a poeira.
É perceber a quina, sempre depois do dedo quase arrancado do pé.

É assistir uma animação infantil depois do pesadelo noturno.
É cafuné, é silêncio... É barulho orquestrado...
Olhar longe... parado... fixo na tela ou no teclado... "pensa... pensa... qual é a palavra que dançava aqui?"

Os dedos chegam a formigar, esperando imóveis sobre o teclado, o ditado que entupiu a garganta, que gira dentro de mim e não sabe como fazer... 
 Racionalizar um tema, para não pensar naquilo que tem me tirado a paz...
Meu orgulho me impede... atos heróicos, sensíveis e sinceros...

A quina dói... mas o canto... 
O canto ainda junta poeira!

Obrigada pelo sua visita, que seu dia seja acolhedor como cheirinho de café da fazenda!

Nenhum comentário:

Postar um comentário